Showing all 11 results

Emma Harang é uma fotógrafa francesa baseada na África Ocidental e actualmente a residir em Lomé, Togo.

Emma gosta de se definir como uma “sortuda de desabrochar tardio”, pois começou a fotografar há apenas alguns anos e como "Fotógrafa da Vida Diária". Ela é fascinada pela poesia disseminada nas cidades africanas, para além da aparente hostilidade dos seus ambientes ásperos e lotados, e atraída pela beleza das coisas simples. Com uma grande empatia e sem nenhum escárnio, com os olhos bem abertos, Emma captura cenas que são ao mesmo tempo banais e poéticas ou, outras vezes, totalmente incomuns ou surpreendentes. Ela procura o charme que se esconde na cidade, como uma cortina de uma barraca a ondular ao vento, crianças a brincar quando a escola acaba, ou vestígios de uma antiga casa abandonada. As suas fotografias revelam também uma certa doçura, tanto nas suas cores quanto na sua composição: o observador consegue sentir o calor dos raios solares, ser tocado pela ternura de um gesto ou rir gentilmente com o humor de algumas situações retratadas. Na sua família, Emma representa a terceira geração de amantes de África (os seus avós e os seus pais trabalharam todas as suas vidas na África Ocidental e Oriental). A sua abordagem á fotografia contém um toque de nostalgia e amor por lugares vintage exóticos, recusando, de alguma forma, o rápido crescimento da globalização que varre particularidades culturais locais. Para além da fotografia, Emma trabalha em questões de proteção infantil em vários projectos de cooperação e está empenhada em combater os problemas enfrentados pelas pessoas com quem trabalha. Isto pode explicar por que quer agora avançar para projectos fotográficos documentais, desejando tornar-se numa testemunha dedicada das questões sociais e das mudanças no continente Africano, enquanto continua a ilustrar sua beleza infinita. O trabalho de Emma foi exibido pela primeira vez em setembro de 2017 durante o Tchale Lekema Urban Art Festival, onde foi organizado um concurso de fotografia entre 10 fotógrafos pré-selecionados que foram convidados a ilustrar sua visão da capital Togolesa. Em Dezembro de 2017, participou também num evento comercial expositivo no Hotel Onomo Lomé.